Carta de uma emigrante.

Olá meu querido amigo e confidente!
Parece que já não falamos à imenso tempo…
eu sei que falamos todos os dias,
estas modernices dos telemóveis com video-chamada, pacotes gratuitos para estrangeiro.
Sei pelo teu facebook tudo o que fizeste hoje, ontem, durante as férias e até sei a que festa vais no próximo fim de semana!
Vai estar lá muita garota, cuidado com essas selfies depois de uns copos!
Vi que tens lançado uns posts um pouco para o deprimente, sabes que podes falar tudo comigo não sabes?
Eu sei que posso falar tudo, por isso te ligo quase todos os dias e faço questão de relatar no messenger o que as pessoas no comboio estão a fazer…

A verdade é que hoje senti algo diferente, hoje falei contigo como sempre, contei-te todas as novidades e tiveste que desligar, na promessa que voltarias a ligar…
Estive toda a tarde e toda a noite, ninguém mandou mensagem a perguntar como estava…e tu não ligaste de volta…
Jantei, e nada.

Fui até á varanda, e vi um dos milhentos aviões que passam aqui por cima de casa. Lembrei-me do dia em que cheguei, passei por cima da minha futura casa, cheguei a este país em busca de algo quando nem eu sei o que quero encontrar.
Desde que aqui estou já senti saudade, mas ainda não chorei baba e ranho a ouvir um fado da Mariza.
Estou aqui, e sou emigrante. Sou uma daquelas pessoas que teve tomates para deixar tudo e sair em busca de desafios, quando só a mudança em si é um desafio enorme.
As pessoas são tão diferentes, de manhã faz frio, de tarde um sol que tosta e de noite bem, seja o que S.Pedro quiser.

Olho para trás e penso que caí por menos, já fracassei por um folha no meu caminho porque não tinha força para sopra-la para longe.
Agora que penso bem, fogo! Estou aqui, na dureza, a enviar 40 curriculos por dia, saio para a rua sempre com uma camada deles na bolsa para entregar em todas as portas que entre.
2 vezes por semana acordo cedo, e com a força que me sobra das caminhadas diárias vou para o curso de alemão, já entendo umas coisas, Genau!
É dificil, mas ainda estou aqui.
2 vezes por semana também vou dar uns toques de basket, é diferente mas gosto.

Aquilo que te quero dizer é que não preciso que fales comigo todos os dias, nem preciso de vasculhar o teu facebook para sentir que fiz parte do teu dia.
Tu foste aquele amigo que quando eu não conseguia chutava as pedras do meu caminho sem eu perceber, estava demasiado focada em procurar respostas.
Foste a última mensagem antes de entrar no avião que me trouxe até aqui.

A primeira mensagem de todos os dias.
A primeira chamada de todos os dias.
E és agora a primeira lágrima de saudade.

Hoje quando não te lembraste, senti saudade. De quando te esperava que nem uma menina na janela do quarto e corria até á porta para ver a tua sombra.
Senti saudade do teu abraço, dos teus beijos infinitos, de quando ouvias os meus desabafos deitada no teu peito.

Tudo isto para te dizer, que se não fossem estas tecnologias eu tinha percebido mais cedo, que esta vida de emigrante não vai ser fácil.
Imagina que só recebias esta carta na próxima semana, isto se ela não se perdesse pelo caminho.

E é isto meu querido, não é fácil, mas não sintas em momento nenhum que me falhaste…eu sei onde estás, como te falar, se não o faço é porque estou muito ocupada a ser forte.

Não te preocupes mais, já fizeste demais…apartir de agora, deixa comigo!

Um beijo desta recente emigrante que já está a contar os dias para o Natal, mas ainda nem tem trabalho muito menos férias…mas temos que ser positivos!

Abraça um dia de cada vez, pois no dia que eu voltar roubo esse abraço só para mim.

29 de Setembro, 2016
Kloten, Zürich

Antes de mais. Depois de tudo.

Antes de mais queria que tudo fosse diferente.
Queria que estivesses aqui.

Que a saudade não doesse.
Que te tivesse conhecido desde sempre.

Que existisse gratidão suficiente para tudo o que foste para mim.

Que o limite não existisse.

Que o tempo não fosse tempo…

Os dias ficaram mais compridos.

As noites mais frias.
Mas mesmo assim, tu, nunca foste.
Enches o meu peito de vontade e alegria.

Que incrivel, a tua maneira de ser.
Todos os dias enfrento as lutas.
Mas a pior é não saber se amanhã não te arrependes.

Não quero que te arrependas de nada.

Não existe sitio ou hora errado.
Nunca penses assim!
Existem sim pessoas que desistem.

Que preferem acreditar no que dizem.
Mas tu não.
Tu és daqueles que como eu,

Aprendeste a dançar na chuva.
E por isso eu sei,
Que mesmo depois de tudo isto,

Tu estás e estarás, no mesmo sitio, para sempre

Depressão

Como uma droga começa a consumir-nos…
Primeiro a vontade, depois o nosso ser e por fim a nossa vida.

Relato aquilo que vivi e o que vivo,
Na esperança de ajudar alguém, como não consegui ser ajudada.

Primeiro não parece nada, apenas um problema,
Tentamos dormir a pensar que amanhã ele desapareça,
Mas não, apenas cresce, e tudo o que nos perturbava antes de dormir,
Começa a aparecer durante o dia, e depois todos os dias.

Tento esconder, não quero que ninguém se preocupe,
Choro quando estou sozinha e sorrio quando estou perto de alguém,
Eles sabem que se passa algo, mas acreditam que sou forte,
E seja o que for eu ultrapasso sozinha.

Na verdade não…
Primeiro vai-se a vontade de comer,
A vontade de dormir,
A vontade de me sentir bem,
A vontade de trabalhar,
De conviver, de falar, de sorrir.
Quando já não há mais nada para nos tirar,
Vai-se a vontade de acordar,
E por fim,
A vontade de viver.

Quando isso acontece acreditem,
Não há nada que nos salve de nós próprios,
Este sofrimento aperta-me a garganta
Que dou por mim às voltas pela casa
Apenas para tentar respirar!

Grito socorro! Choro sufocada…
Deito-me na cama, abafo esse choro com a almofada,
Todos os tormentos dão voltas na minha cabeça,
Tudo é um problema, eu sou um problema!
O que ando a fazer aqui?
Se eu desaparecer alguém vai dar pela minha falta?
Não sirvo para nada, a vida nunca me sorriu,
Secalhar não fui feita para viver,
Nem tão pouco para marcar a vida de alguém.
Ninguém me ouve…estou sozinha…não quero mais…chega!

Tudo fica escuro, a paz finalmente aparece…
Não há problemas, não há ninguém, agora estou bem…
Agora alguém tem que decidir por mim,
Posso ter a sorte de alguém me procurar a tempo,
Ou então não.

Acordo, não faço ideia quanto tempo estive a dormir…
Vejo todas aquelas pessoas preocupadas comigo,
Tão preocupadas que nem são capazes de me dizer o que mereço ouvir…

Porquê? Não sei, pareceu-me fácil…
Estava cansada, esgotada, paranóica e doente.
Não espero que compreendam, nem eu sou capaz de o fazer.

Agora todos sabem, preocupam-se, e eu tento…
Não por eles mas por mim…
Esta medicação não me deixa pensar,
Bloqueia tudo o que tento sentir…
Eu tento, acreditem que tento com todas as minhas forças,
Por vocês, por mim.
Mas é tão dificil, como se tivesse que correr uma maratona todas as manhãs ao acordar,
Como se tivesse que tomar um banho frio todos os dias no inverno,
Como se tivesse que comer mais um pouco depois de estar de estomago cheio.
É um esforço, um esforço enorme.
Dói comer, dói dormir, dói falar, dói acordar, andar, sorrir.
Dói viver.

Mas eu tento, porque alguém ouviu o meu socorro e foi a tempo.

Não sei pedir ajuda, nunca soube, mas alguém percebeu.

E agora, por muito que doa, tenho que viver.
Por mim, tenho mesmo que viver.

Estas palavras são minhas, mas a história é o dia-a-dia de muita gente.

Amor próprio

Ultimamente os pesadelos têm invadido o meu sono,
Mas como mulher teimosa que sou,
Uma vez que não me deixam sonhar quando posso,
Eu sonho acordada.

Tenho sido a minha melhor amiga,
Converso imenso comigo mesma…
Nunca pensei eu que os melhores conselhos seriam os próprios.
Estou numa especie de relaçao comigo mesma,
Em que todos os dias me apaixono mais um pouco por aquilo em que me estou a tornar.
Já foram dias em que alguém conseguia mudar o meu dia,
O meu humor,
O meu sorriso,
A minha vida.
Não sabia que estava errada mas…os erros servem para ficar no passado e ensinar-nos para o futuro.
Agora, a única pessoa que decide o meu dia sou eu.
Quem decide se estou bem sou eu e apenas eu.
Agora percebo porque dizem,
Para alguém gostar de nós, temos de primeiro gostar de nós próprios.

Todos os dias fortaleço esta relação,
Fazendo coisas que me deixam feliz,
Sendo sincera comigo e com os meus sentimentos,
Não há nada como a paz interior.
Sei que não sou perfeita, mas quem o é?

Cada dia cresço, e ganho mais vontade de descobrir este novo mundo,
Visto só e apenas pelos meus olhos.
Chega de ser carregada ao colo pelos outros,
De viver sonhos que não são meus,
O meu bem estar está primeiro, eu estou primeiro!

Chega, para já não quero amor, que não seja amor próprio.

E aqueles que me querem acompanhar, que venham pela amizade,
Porque neste momento estou preenchida por um sentimento, o meu.

Sorriso.

Num dia de desespero, pedi um amigo, um anjo, alguem que me compreendesse sem eu ter que falar…por vezes falar dói, faz-nos reviver coisas que tentamos esquecer…nesse dia de desespero eu revivi, tudo e mais alguma coisa…tudo o que magoava, tudo o que ja me doeu, naquele momento ficou insuportavel…
Quando abri os olhos, cheios de lagrimas, vi que tudo o que precisava estava ali, sempre esteve…
Chorei e chorei, até nao restar uma gota de agua no meu corpo, porque um dia me disseram q eu ficava bonita a chorar…
Agora percebo, sempre tive tudo, mas sempre quis mais, e isso foi o que m impediu de ser ainda mais bonita…
Tenho-me a mim, e o meu sorriso brilha, mas melhor que isso, ilumina todos os que ne rodeiam e partilham essa felicidade comigo…hoje estou ainda mais bonita, amanha estarei mais, porque tenho comigo as melhores pessoas do mundo.
Por isso te envio um sorriso 🙂 porque mereces, porque fazes parte dele, fazes parte das melhores pessoas que tenho, fazes parte d mim…
Um beijo, um abraço, fica sempre por perto…és mais um, mas nao és apenas mais um.

Bater no fundo

Tentei perceber mas não deu,
Tentei procurar-te e doeu.
Sentada no chao ao lado da tua cama,
Chorava á espera que acordasses que acendecesses a nossa chama.
Silencio foi tudo o que tive,
Um olhar de raiva por tudo aquilo que te disse,
Mas que mal te fiz eu?
Apenas procurei saber de ti, de nós,
Tudo aquilo que passamos naquele momento ardeu.
Expulsaste-me que nem um cao abandonado,
So nao me chutas-te porque estavas deitado.
Viajei horas a fio, a chorar lagrimas que nunca deviam ter caido.
Cheguei a casa, o meu mundo caiu.
Era em ti que confiava, porque sinto que o que tivemos nao foi nada?
Doeu mais do que eu estava à espera,
Foste curto e grosso não poupaste na demora.
Tao depressa caí, nem dei pela minha vida a fugir,
Pois ninguém me agarrou, e foi aí que a minha alma falou.
Bati no fundo, mas baixo do que ti vagabundo.
Tive que acordar para a vida,
Olhar á minha volta e ver quem comigo caminha.
Agora sou eu contra mundo,
Fica na tua a contar os teus trocos.
Nunca pensei que uma pessoa tivesse valor monetário,
Mas tu provaste-me isso quando te fizeste passar por otário.
Não sou uma chavala, e não durmo em serviço,
Sou aquilo que desejavas e ainda mais do que isso.
Agora esconde-te nas esquinas,
Faz valer a decisão que tomaste para as nossas vidas.
Nem te consigo odiar,
Olho para ti e tenho pena de não falar,
Agora é que percebi,
Sempre pensei que era fraca e tu o meu apoio,
Mas na verdade tu é que tens a vida feita num oito.
Eu tenho tempo de me erguer,
Nem me importo de voltar a sofrer,
Mas um dia vais olhar para mim, e pensar: foi esta a mulher que perdi.
E em troca de quê? Da merda da vida em que me meti.
Temos pena meu bem, agora só falo com quem me convém.
Mando-te um beijo sentido,
Pois sem esta bofetada não sei que vida teria tido.

Vontade de viver

Mais uma vez lá entrou ela sozinha no hospital, a sangrar por todos os poros que o seu corpo tinha. Cambaleava tentando chegar para ser atendida.

Uma das enfermeiras reparou e tentou apressar-se para socorre-la, outra enfermeira já mais antiga agarrou-a no braço: “Não vás, é normal. Costuma aparecer aqui de tempos a tempos sempre a lutar para se manter de pé e não admite que alguém a vá ajudar.”

Chegou ela perto das enfermeiras e com as poucas forças que tinha murmurou: “Mais uma vez, penso que seja do coração.”

A enfermeira mais experiente deu um ar de sorriso mas ao mesmo tempo de calma: “Anda comigo”

Saiu e a rapariga seguiu-a pelos corredores: “Podia oferecer-me para te ajudar já estás bastante fraca mas sei que vais recusar por isso vamos procurar-te uma cama enquanto esperas pelo médico.”

“Obrigada” Foi a resposta.

Deitada na cama, fraca, abatida, lavada em lágrimas esperou pelo médico, o que já a conhecia e o único que ela deixava que a tratasse.

“Aqui está ela Sr.Doutor, mais uma vez.”

“Então pequena, que se passa com esse coração enorme?”

“Arrancaram mais um pedaço.” perdida em lágrimas “Às vezes gostava que o coração fosse mais pequeno, que o arrancassem de uma vez. Pelo menos não sofria tanto.”

O médico sorriu passou-lhe a mão na cabeça:”Acho íncrivel que uma menina tão pequena tenha um coração desse tamanho, e de todas as partes que já te tiraram, ele continua a encher-te o peito. Devias sentir-te orgulhosa.”

“Orgulhosa?!” Limpou as lágrimas “Ninguém merece isto, viver cheia de cicatrizes e quando estão quase a sarar, aqui estou eu outra vez.”

“Pequena, um coração grande carrega muita responsabilidade, se o tens é porque o mereces. As cicatrizes são apenas para te lembrar que nem toda a gente é como tu. Sim, devias estar orgulhosa.”

“Doutor, neste momento a única coisa que aprendi e que vive dentro de mim é que sei o que não quero, algum dia hei-de saber o que quero? Algum dia vão deixar de me magoar assim?”

“Estás a ver? Ainda nem te tratei e já sabes a tua cura, talvez nunca na vida a gente saiba o que quer, mas vai aprendendo o que não quer e afastar-nos do que nos faz mal. Um dia esse coração gigante vai estar cicatrizado, vais deixar de vir aqui mas vais sempre aprender. Aprender magoa, basta olhar para ti, mas recuperas sempre. Vá, vamos lá tratar dessas feridas.”

“Rápido doutor, com esta conversa fiquei cheia de vontade para ir viver.”

Era isto.

Amor é isto.
Amor é ser doente.
Amor magoa, mas a gente gosta.
Amor bate, mas pedimos sempre mais.
Amor cura, todas as feridas que faz, ele cura.
Amor é deitar-me no teu peito,
Ser embalada pelas batidas do coração.
Amor é ser lamechas, e ter um sorriso idiota.
Amor é partilhar parvoices,
Amor é fazer lutas na cama ao acordar.
Amor é amuar, e esperar um abraço para fazer as pazes.
Amor é muita coisa, e às vezes é tão pouco.
Depende dos dias, depende do amor.
Amor não é sempre igual.
Existe aquele amor que sufoca, que sabemos que nunca vai dar certo.
Aquele amor que ilude, serve apenas para curar outro.
Existe o amor da amizade, que dura para sempre.
Existe o amor impossível, que nunca vai acontecer.
E existe o nosso, aquele que ninguém entende, nem tem que entender.
Uma mistura de tudo com um toque de nada.
Porque alguns dias quem importa somos nós,
E se eu estiver bem, tu estás bem.
Nosso amor é simples e é nosso.
Era isto.

Sorte grande

Podia tentar descrever aquele momento em que te conheci,
Teve tanto de romantico como de engraçado…
Não consegui tirar os olhos de ti,
Pelo menos enquanto não reparavas,
Tive que fazer-me de forte, para não ferir o meu orgulho…
Em pouco tempo esse orgulho não me serviu de nada,
Vieste de mansinho, com os teus carinhos,
Os teus olhos sinceros,
Aquela conversa que ambos queriamos que terminasse da mesma forma,
Mas nenhum deu o braço a torcer…
Ficamos ali a falar, enquanto o teu olhar me vasculhava a alma,
E eu queria fugir, mas o meu corpo tremia,
Não sabia se estava a ser exagerada, então deixei-me levar…
Até hoje não me arrependo de nada,
Andar contigo é o mesmo que ter um amuleto sempre no bolso.
A paz que me transmites não tem preço,
A forma como me tratas faz-me pensar,
Será que te mereço?
Será por ti que todos os outros eram errados?
Contigo é fácil ser feliz,
Ao teu lado sinto-me forte e protegida,
Quando me abraças sinto que encontrei o pote de ouro,
Sim, aquele que fica no inicio do arco iris…
Este és tu, fazes-me pensar em mim…
Quero estar bem, para estar bem contigo…
Agradecer-te é pouco, porque tudo o que fazes é de coração…
Só te peço que fiques, quando tiveres que ir vai, mas volta sempre.
A saudade enche-me o peito de ti,
E isso só me faz dar valor quando estás aqui,
Abraçar-te com mais força na noite antes de ires embora,
E quando voltas parece que nunca foste.
E sabes porquê?
Porque és a minha sorte grande.

Que o mundo acabe

Este mundo podia deixar de fazer sentido,
Tudo podia desabar,
O meu chão pode fugir,
O ar pode-me faltar,
As forças até me podem falhar,
Nada disso interessa mais agora que te conheci.
Tornaste os meus dias mais bonitos,
Deste um novo sentido às saudades,
Respirar torna-se mais fácil,
Sorrir faz mais sentido,
Abraçar-te é tudo.
Agora, é o que quero para o futuro.
Que este Presente se mantenha sempre assim,
Tu e eu.
Brincadeiras.
Parvoíces.
Paixão.
Amor.
Amizade.
Respeito.
Vou juntar todos estes sentimentos,
Eterniza-los até mais não.
Sou o que sou, como sou.
Assim me aceitas, e assim me entrego.
Eu aceito-te, eu quero-te assim.
Por inteiro, sem manhas nem agrados.
Quero-te pelo que és e não pelo que podes vir a ser.
Que o mundo acabe agora,
A mim não me importa,
Tenho-te a ti.