Respirar

O teu coração disparou, quando deveria ter sossegado…não houveram palavras, gestos ou sorrisos que acalmassem os teus medos, os teus receios, os teus pensamentos…
Pedi-te que acreditasses em coincidencias, e que no nosso caminho cada pessoa tem o seu papel…pedi-te que me ouvisses, que respeitasses a minha vontade, que esquecesses tudo no momento, aquele momento deveria ter sido nosso, como planeamos durante tempos, momento com o qual sonhamos, e que acabaste por torna-lo teu e só teu…
Feriste o meu desejo, quebraste tudo o que aprendi até hoje…senti-me uma criança, não é justo…não depois de tudo o que passei para conseguir controlar estes momentos…
Quiseste fugir, quiseste respirar, arrancaste as minhas mãos que repousavam no teu peito na tentativa de acalmar-te…conseguiste ver tudo o que havia de negativo, quando trabalhei durante dias para tornar um momento especial, porque apenas uma coincidencia te punha no meu caminho, nada me faz acreditar que o destino manda, pois tu decidiste o teu…
Foste, mas será que voltas?

Estrela

Durante uma noite estrelada, talvez uma das noites mais bonitas que já vi, saí para a varanda, recostei-me nas grades do muro e fiquei a admirar…
Apesar do céu estar repleto de luz, o frio tomava conta da noite, então fechei os olhos durante um arrepio, e senti o calor de uma estrela…um calor reconfortante, irresistível, um toque suave no ombro que me fez esquecer o frio da noite…
Mantive os olhos fechados para aproveitar o momento, foi então que a estrela me tocou os lábios, um arrepio subiu-me pela espinha, não de frio mas de desejo…
Quis agarrá-la com toda a força, mas tive medo de que isso a fizesse fugir…tentei controlar a respiração, tentei manter os pés no chão, tentei não me perder naquele momento…
A noite passou, e o nosso toque, a nossa respiração, a troca de olhares, tudo ficou entre nós…
Agora espero, por outra noite estrelada, em que a estrela desça novamente para me encantar com a sua presença.

Carrossel

Abriu de novo a feira popular cá na terra…aquela ansiedade de querer voltar lá não desaparece por mais anos que passem…
A verdade é que já lá estive, e sei sempre o que vou encontrar, mas aquela variedade, aqueles cheiros familiares, as multidões, mas acima de tudo o carrossel…
Não falo daqueles modernos, em que nos oferecem adrenalina mas é só fogo de vista…pagamos balúrdios por um bilhete para 30 segundos de aperto no estomago…
O que me fascina é o carrossel, aquele tipico, com os cavalinhos, as girafinhas, as chavenas a rodopiar…
Da ultima vez que aqui estive experimentei os vários, todos eles me deram alguma alegria, mas de todos a chavena rotativa sem dúvida que me marcou…
Foi nela que a volta no carrossel durou mais, ou pelo menos me pareceu…rodei e rodei, ri e sorri, fiquei com nauseas de tantas voltas mas o sentimento de felicidade continuou lá…talvez eu precisasse desse abanão…
Saí do carrossel ainda com as pernas a tremer…a cabeça ás voltas, mas com o mesmo sorriso no rosto…
Virei costas e abandonei, sem ter a certeza que no ano seguinte ali estaria outra vez…
Alguém hoje me ofereceu o bilhete para esse carrossel, como pude eu não saber que estava de volta?
Corri com medo de chegar tarde, já não bastava ter sido descuidada ao ponto de não sentir que ele ali estava, não me perdoaria se ali chegasse e já lá não estivesse…
Entreguei o meu bilhete, mas desta vez não quero experimentar os cavalinhos nem as girafinhas…vou direta á chavena…
Porque apesar das nauseas que ela me dá no fim de cada viagem, só ela me dá segurança…posso rodar e rodar para todos os lados que sei que nunca vou cair, sei que o meu sorriso vai estar sempre em cada viagem…
Saio ainda meia a cambalear, mas para compensar a minha falha, vou direta comprar outro bilhete…
E assim será até as minhas pernas não aguentarem mais…mas no dia seguinte eu volto para mais uma viagem…