Bom dia *

E foi no teu abraço que deitei a minha tristeza, assim que a noite se pôs. Foi nessa ausência de luz e calor que me rendi, a ti…

Foi o pânico que tomou conta de mim, mas o teu olhar conseguiu acalmar a minha respiração, os meus medos…o teu olhar que lê cada gesto e pensamento meu. Mas fecho os olhos, não para que não me vejas o interior, mas para que sintas…quero que sintas o quanto preciso do teu abraço, do teu colo, do teu beijo, do teu carinho…

Escreve na minha pele as tuas histórias com as pontas dos dedos, não precisas de me contar…não precisas de te expor, apenas preciso que te mostres presente…não divagues nem te preocupes com pormenores fúteis, este momento é nosso, teu e meu, que assim seja, que assim fique.

Enquanto eu ali estiver, perdida nos lençóis no aconchego da cama, hei-de encontrar sempre o meu espaço seguro no teu peito…esse peito que já aguentou as minhas lágrimas e os meus sorrisos, as minhas inseguranças e os meus desabafos…nele me encontro sempre, por mais perdida que esteja.

É nesse peito que me encosto e tento descansar os meus problemas, e com toda a calma do mundo te oiço dizer-me “Boa noite”…nem dou por mim a adormecer, a batida do teu coração embala-me e canta-me uma melodia que me resguarda e me envolve em sonhos que nem eu sabia ser capaz de ter.

Passa a noite, perco-me nessa segurança que me dás e consigo parar de pensar em tudo que normalmente me inquieta e não me deixa descansar…aproveito cada segundo para interiorizar esse momento, o momento em que os teus braços me envolvem e não me deixam cair em pesadelos, o calor do teu corpo e o teu respirar no meu pescoço deixam-me livre, livre dos meus medos e receios…

Toca o despertador, eu já estou acordada a admirar-te…acordas e trocamos olhares, com um sorriso me dizes “Bom dia”, com outro te respondo:

“Bom dia minha alegria”